JP Borrachas e Parafusos
22 de novembro de 2017
06/11/2017
Ex-prefeito condenado por morte em acidente cumprirá pena com tornozeleira eletrônica no RN

O ex-prefeito de Ielmo Marinho Germano Patriota começa a cumprir na segunda-feira (6) a pena de prisão em regime semiaberto, utilizando tornozeleira eletrônica. Patriota foi condenado pela morte da assistente social Regina Coelli de Albuquerque, ocorrida em 2004, em um acidente de trânsito na Zona Leste de Natal.

Em 2012, o Pleno do Tribunal de Justiça condenou Germano Patriota a oito anos e dois meses de prisão, além da perda dos direitos políticos, pela responsabilidade no acidente. Após a defesa entrar com recursos durante esses anos, ele foi condenado a 6 anos em regime semiaberto.

De acordo com o advogado de Patriota, Felipe Cortez, ele “afirma e reafirma” que o acidente foi uma fatalidade e que não seguia no volante do carro. Estaria com o motorista, por não ter condições de dirigir. “Ele não consegue se conformar com essa condenação. Vai cumprir a pena a contragosto, porque entende que não cometeu o crime, mas respeita a decisão da Justiça”, diz o advogado.

O caso

Em 6 de outubro de 2004, a assistente social Regina Coelli de Albuquerque saía do trabalho, no Hospital da Polícia Militar, quando aconteceu o acidente, no cruzamento das ruas Ceará-Mirim e Afonso Pena. O veículo em que ela estava foi atingido por uma Pajero, que, segundo o Ministério Público, seguia em alta velocidade e era guiada por Germano Patriota.

Na denúncia, o MP afirma que Patriota estava bêbado e cruzou o sinal vermelho, colidindo contra o automóvel de Regina Coelli. A assistente social morreu após o acidente.

*G1 RN

Supermercado Queiroz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog do JP - Rio Grande do Norte - Todos os Direitos Reservados.
Os textos e as imagens deste site são de uso exclusivo do site blogdojp.com.br, não podendo ser usadas ou copiadas sem autorização, estando protegidos pela Lei de Direitos Autorais, seu uso indevido é considerado crime.